Como o distanciamento físico ajuda a controlar a epidemia?

2 minute read

No texto abaixo explico a importância do distanciamento físico, e de que forma ficar em casa nos ajuda a interromper as cadeias de transmissão da epidemia.

Compartilhe este texto e imagem abaixo via WhatsApp

Não param de falar de Distanciamento. O que é isso, e como isso ajuda a conter essa epidemia do coronavírus? Não se esqueça: o vírus é transmitido principalmente de pessoa para pessoa.

Tudo está parado. Por que essa epidemia é tão grave?
Estamos diante de um novo vírus, e ninguém tem proteção natural contra ele. A preocupação principal nessa pandemia é com a superlotação do sistema de saúde. Se quase todo mundo for infectado ao mesmo tempo, os hospitais (públicos e particulares) não darão conta do número enorme de doentes. Apesar da epidemia, a vida continua: pessoas continuarão a ter infartos, derrames, mal-estares em função de quimioterapia, picos de glicemia, acidentes de carro, etc. Num sistema colapsado, essas pessoas poderão ficar sem atendimento.

E como ficar em casa vai ajudar?
Esse vírus é transmitido muito facilmente: uma pessoa doente pode passar o vírus para outras 2 ou 3 pessoas. Com isso, em poucos dias, o número de infectados pode dobrar. Quando ficamos em casa, ocorre o que é mostrado na imagem abaixo: quem fica em casa está seguro, não se infecta, e ajuda a interromper a cadeia de transmissão do vírus.

Como eu posso ajudar?
Para evitar o colapso do nosso sistema de saúde temos que evitar que um número muito grande de pessoas se infectem ao mesmo tempo. Se você quer ajudar: fique em casa, se possível. Reduza seu contato com outras pessoas, e saia de casa apenas se for muito necessário. E ao sair, use máscara: dessa forma você diminui as chances de se infectar, e de infectar outras pessoas por aí.

Meus amigos e parentes não se importam. Quais são os riscos?
Se continuarmos a ignorar a epidemia, os governos locais terão que tomar medidas mais drásticas, como proibir aglomerações de 5 ou mais pessoas, ou até instituir quarentenas obrigatórias, como fez o governo de São Paulo a partir do dia 24 de Março. Além disso, a irresponsabilidade de uns poderá causar a morte de muitos. Temos que fazer a nossa parte: não basta só cobrar ações dos governos.

Conclusão
O receio então, é menos da doença em si, e mais em função de um possível colapso do sistema de saúde (público ou privado, ambos serão afetados). Nesse sentido, evitar aglomerações e ficar em casa ajuda a conter a velocidade da transmissão, dando tempo pro sistema de saúde lidar com a quantidade de doentes nessa primeira onda da epidemia.

Fonte: https://bit.ly/COVID-distanciamento
Autor: Dr Anderson F. Brito, Virologista, Yale University


Compartilhe em suas redes sociais

Updated: